A longevidade depende da felicidade

Entrevistas

Emílio Moriguchi

Por Adenilde Bringel

O termo ‘Blue Zones’ foi criado na década de 1970 por pesquisadores da Universidade de
Harvard, nos Estados Unidos, que estavam estudando as localidades com mais longevos no
mundo. Na época, as ‘Blue Zones’ eram Okinawa (Japão), Sardenha (Itália), Nicoya (Costa
Rica), Icaria (Grécia) e Loma Linda (Califórnia, Estados Unidos). Nessas regiões, pelos critérios
dos pesquisadores, os idosos tinham de ser saudáveis e felizes. No Brasil, uma localidade com
cerca de 30 mil habitantes poderá entrar para este seleto grupo. O Projeto Veranópolis,
coordenado pelo professor doutor Emílio Moriguchi, idealizador da Unidade de Geriatria do
Serviço de Medicina Interna do Hospital de Clínicas de Porto Alegre e coordenador geral do
Projeto Veranópolis Estudos em Envelhecimento, Longevidade e Qualidade de Vida, começou
há mais de 28 anos e é o estudo longitudinal de envelhecimento mais longo do Brasil em
seguimento ininterrupto. A pequena cidade localizada na serra gaúcha mantém a mesma
característica da década de 1990, quando os estudos começaram, o que faz dela uma forte
candidata a se tornar uma ‘Blue Zone’.